Erros mentais frequentes antes da corrida

Erros mentais frequentes antes da corrida

Os erros mentais mais comuns antes de uma corrida. E como é possível evitá-los. Realizar técnicas de preparação mental antes de uma corrida é comum entre os corredores. Essas técnicas estão focadas na preparação, motivação e visualização da corrida. O atleta pode executar qualquer uma delas, mas existem erros mentais comuns numa corrida, que muitos cometem. Confira os três erros mais frequentes e o que é possível fazer para evitá-los. Visualizando um único resultado Muitos atletas comentem alguns erros mentais antes de uma corrida. Um deles, é o de visar apenas o resultado. Eles pensam em um cenário perfeito, ou seja, uma trajetória de sucesso e o resultado desejado. Embora seja necessário visualizar um resultado positivo, devemos considerar uma variedade de cenários. Se você está ciente de que algo pode dar errado, você se sente menos frustrado e pode resolver problemas com uma atitude mais positiva e criativa. O medo de errar Depois de sofrer uma lesão ou cometer um erro durante a competição, é normal que você fique com medo de machucar novamente ou de que algo dar errado. Nestes casos, é importante reconhecer o erro e visualizar-se fazendo a coisa certa. Se na sua trajetória anterior sofreu com dores musculares, se preocupe em se exercitar corretamente antes de treinar. Se o seu erro for associado à falta de alimentação, como café da manhã, é importante preencher, por exemplo, com géis e outros alimentos durante o treino. Muito nervoso ou relaxado demais O terceiro grande erro mental de muitos atletas no mundo da corrida, é que eles são muito animados ou muito desanimados. O excesso de energia ou nervosismo extremo pode causar ansiedade e interferir na concentração mental. Largar uma corrida de rua muito nervoso, pode comprometer sua respiração. Se isso acontecer, você precisa relaxar e respirar profundamente para regular sua frequência cardíaca. Além disso, se antes de uma corrida você estiver desinteressado, o tiro pode sair pela culatra. Para conseguir um bom desempenho deve atingir o meio termo. Ou seja, até o ponto de ansiedade não prejudicar a sua respiração. O erro mental vem em duas formas: física (aquela sensação de borboletas no estômago, suadores, náuseas e vontade de ir ao banheiro) e as mentais (pensamentos negativos, confusão ou falta de concentração). O relaxamento é a técnica mais utilizada para reduzir esses tipos de ansiedade.   Fonte: o2porminuto.ativo.com...

Leia Mais

Respiração na Corrida

Respiração na Corrida

Muitos corredores ficam em dúvida quanto a melhor forma de respirar. Eles devem entender que, por meio da respiração, podem aumentar o ritmo e o volume nos treinos e assim descobrir que têm mais fôlego que imaginam. Portanto, já no início, os corredores devem saber que respirar corretamente e de acordo com as exigências do esporte requer deixar de lado a regra básica de inspirar apenas pelo nariz e expirar pela boca. A inspiração pelo nariz e a expiração pela boca funcionam bem para atividades relaxantes, como alongamento e yoga – que necessitam de concentração e equilíbrio – ou trotes e treinos regenerativos que não exigem intensidade e velocidade. No entanto, se aumentar o ritmo, a velocidade ou a distância, naturalmente o organismo vai necessitar de mais energia e consequentemente de oxigênio. Com isso, apenas a inspiração pelo nariz é insuficiente, e é preciso captar mais oxigênio utilizando a boca. E não existe problema nesse tipo de respiração. É comum ver atletas de performance que aparentam expressão de dor quando estão, na verdade, inspirando e expirando simultaneamente pelo nariz e pela boca. Com o tempo e a experiência, o corredor percebe que prestar atenção na respiração é mais uma forma de relaxamento e distração que a corrida oferece. Em treinos de ritmo intenso, o ideal é inspirar e expirar pelo nariz e boca. Nesse caso, se o corredor mantém a inspiração apenas pelo nariz, com certeza irá cansar mais rapidamente e haverá queda na performance. O atleta não deve começar o treino ou a prova com um ritmo intenso. A menos que o nível de condicionamento seja de um atleta profi ssional e de performance. Nos outros casos, o ritmo deve ser aumentado aos poucos, para evitar o trabalho intenso e brusco do diafragma (músculo da caixa torácica que controla o movimento da respiração) e não causar a famigerada “dor no lado” que surge como uma pontada na região do fígado. Uma das formas de educar a respiração é usar os treinos de cadência respiratória, e, dessa forma, aprender a controlar a respiração para encontrar o ritmo mais confortável. Para isso, basta apenas pensar na inspiração e expiração como compassos musicais: 1×1 – Inspira e expira uma (nesse caso, pelo nariz e boca respectivamente). 2×1 – Inspira duas vezes, expira uma (indiferente se pela boca ou nariz). 2×2 – Inspira e expira duas vezes lentamente. Para os corredores iniciantes inspirar duas vezes e expirar lentamente ajuda a evitar a exaustão e o cansaço excessivo. Vale tentar várias formas de respiração, seja alterando a cadência, ou pela boca ou nariz para descobrir qual se adequa melhor.   (Fonte: O2PorMinuto)...

Leia Mais

Carboidratos – quanto consumir?

Carboidratos – quanto consumir?

Normalmente alguns atletas e praticantes de corrida têm dúvidas sobre quanto de carboidratos (que é o principal gerador de energia) se deve consumir por dia. A conta é simples. Se você realiza treinos diários de até 1 hora: 6-7g de carboidratos/Kg de peso dia. Exemplo: indivíduo de 70kg x 6g = 420g, fracionados ao dia. Agora, se os treinos ou provas forem acima de 2 horas o recomendado é de 8 a 10g de carboidratos/Kg de peso. Vale ressaltar algumas observações, como o consumo de água e eletrólitos, carboidratos e gel de carboidratos se forem necessários durante o treino ou prova. Isso irá lhe assegurar níveis de hidratação adequados, melhorando a performance. > Por Helton Finocchio Nutricionista  ...

Leia Mais

Os riscos de pré-treinos com cafeína

Os riscos de pré-treinos com cafeína

Suplementos com cafeína, retirando o grupo de hipertensos e cardiopatas, o resto todo mundo pode usar? Essa informação talvez deixe você mais alerta quanto ao seu uso e sua indicação! Somos 99,5% idênticos uns aos outros, e diferentes apenas em 0,5% de genomas. Em nosso perfil genético podemos ter uma deficiência na capacidade de metabolização da cafeína, através do Citocromo P450, na variante da enzima CYP1A2, a qual é analisada para verificar essa deficiência. E sabe qual o primeiro sintoma de deficiência dessa enzima, caso você não saiba o seu marcador genético ou, grosso modo, caso você não perceba se tem uma grande sensibilidade? “ Morte súbita”, isso mesmo, se acaso houver deficiência de sua metabolização a chance pode chegar a até 180% de risco cardíaco em jovens e adolescentes, principalmente por não terem circulação colateral. Some a essa deficiência a atividade física, que já eleva a frequência cardíaca + o termogênico que contém grande quantidade de cafeína, será que o melhor momento para usar termogênicos é mesmo antes da atividade física ou é melhor nem fazer uso? Vamos ficar com essa dúvida! Lembrando que bebidas energéticas e pré treinos também contém grandes quantidades de cafeína. > Por Helton Finocchio...

Leia Mais

Exercícios e o Sistema Imunológico

Exercícios e o Sistema Imunológico

O exercício agudo poderá causar uma depleção temporária do nosso sistema imunológico. Basta uma intensidade de 55 a 75% VO2 Max em um tempo superior a 90 minutos e a recuperação a partir de 3 a 24h, nesse momento o nosso sistema de defesa está trabalhando a todo vapor para que não deixe nenhum invasor estranho nos atacar. Exemplo: quantas vezes estamos em um ritmo de treino pesado, vem uma gripe ou resfriado e nos derruba. Esse fato representa um grande problema a vários atletas em véspera de campeonato, pois se isso ocorrer poderá comprometer todo o investimento feito pelo atleta e toda equipe. Seguem 3 dicas para tentar evitar essa queda do sistema de defesa! 1. Com o aumento da intensidade dos treinos, aumenta-se a demanda energética de nutrientes (proteínas, aminoácidos, carboidratos, lipídios, fitoquímicos, vitaminas e minerais) e em alguns casos bebidas contendo carboidratos e outros componentes durante a atividade física intensa e extensa parece atenuar alguns dos fatores imunossupressores. 2. O descanso dos treinos deve ser sempre respeitado, assim como a disciplina para os treinos. 3. Boas noites de sono são fundamentais para a recuperação de órgãos e tecidos que foram lesados, assim como um dos mais potentes antioxidantes é liberado durante o sono (melatonina) e vários outros hormônios como GH e IGFs. > Por Helton Finocchio...

Leia Mais

Importância da Vitamina C

Importância da Vitamina C

Devido à grande produção de radicais livres no triathlon, alguns atletas acabam deixando de lado a preocupação com o consumo de vitaminas antioxidantes. Essas, por sua vez, irão contribuir tanto para a recuperação das mitocôndrias (enzimas de energia), quanto também para reduzir o estresse oxidativo nas células. Umas das mais antigas e importantes é a Vitamina C. Abaixo algumas informações sobre os seus benefícios! ✓ Grande poder antioxidante ✓ Tem grande ação favorável sobre a inibição de nitrosaminas cancerígenas. ✓ Atua no sistema imunológico por vários fatores, como estimulação de leucócitos, aumentando a resposta proliferativa nas células de defesa. ✓ Tem atividade anti-histamínica, tendo efeito antialérgico ✓ Melhora a fragilidade capilar (veias varicosas, aneurisma). ✓ Necessária no metabolismo do colesterol, aminoácidos. ✓ Essencial para síntese de colágeno ✓ Protege contra a toxidade de metais pesados Mas saiba que quanto maior a dose, menor a absorção. 1 dose oral de 200mg pode chegar a 90 a 100% de absorção, mas uma dose de 2000mg de vitamina C é absorvida somente 50%. A dica é quando for utilizar fracione a dose e de preferência não use suplementos por conta própria, procure ajuda de um profissional Nutricionista ou Médico. > Por Helton Finocchio Nutricionista...

Leia Mais